terça-feira, 10 de março de 2015

Como se desfazer das conexões cósmicas

Aline, eu te amo.

Adolfo, para com isto, eu não te amo.

Então você me odeia?

Não, Adolfo, claro que não. Eu apenas não te amo.

Mas e o nosso passado? Não significou nada?

Olha Adolfo, eu não tenho vergonha do nosso passado, mas não tenho interesse que isto seja base para o meu futuro.

Mas Aline, existe uma conexão cósmica divina e mística entre meu amor e sua vida.

Adolfo, sou psicanalisada, realizada, estudada, formada e pós-graduada em teses baratas.

Então você aceita ponderações, desde que sejam com personalidade, independente de serem verdadeiras..

Não foi isto que eu disse.

Como não disse? Subjugou meu sentimento e destruiu minhas expectativas. Olha só, Aline, o destino nos uniu. Não há outra explicação para tanto amor. Eu tenho você em cada existencia física e espiritual que há em mim.

Adolfo, você não me ama, você tem obsessão. E isto não tem nada a ver com destino.

Mas, Aline, não existem coincidências no universo. O acaso nos uniu por um motivo.

Só se foi para me ver sofrer por ter você me incomodando, Adolfo.

Nossa, como você é má.

Eu não sou má, mas o fato é que não te amo. Qual é a sua dúvida?

Só uma. Se eu pudesse voltar ao passado, o que eu teria que fazer para que você ficasse feliz?

Fácil - era só não ter ido àquele maldito baile.

Eu te odeio, Aline!

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário