domingo, 19 de abril de 2015

Dura lex passionis

O Congresso Real da Pitangueira aprovou e eu o Rei Primeiro e Único, em caráter monocrático e soberano sanciono o projeto de lei complementar modificando artigos do Código Natural das Coisas, nos termos do aditivo ao Artigo I.

I - Fica proibido se apaixonar. 

§ Único - Amar, suspirar, desejar, fornicar, gostar, etc. continuam permitidos e livres de censura.

II - Em caso do réu ser primário, receberá uma advertência verbal da Delegacia da Patrulha Passional.

III - Réus reincidentes em segundo flagrante, sofrerão advertência por escrito e prazo de trinta dias para encerrarem este processo.

IV - Réus obsessivos com várias reincidências, serão colocados em isolamento, pelo Centro de Transtornos Passionais, por noventa dias, podendo dobrar o tempo em decorrência da gravidade, para não contaminar o ambiente.

§ 1 Receberão gratuitamente e obrigatoriamente tratamento de choque com Choque Térmico, Palestras, Músicas, Psicodrama, Sonoterapia, Filmes, Taekwondo, Karatê, Muay Thai e os oito pilares do Ashtanga.

§ 2 Deverão, obrigatoriamente, participar da AAA (Associação dos Apaixonados Anônimos), e somente poderão transitar entre os comuns após liberação do Cartão Verde.

Razões para que o Reino acate esta sábia decisão:

1 - Apaixonar dói, possui baixa resolução, grande capacidade de imobilização e sentimento de dor imensurável. Além disto é um verbo pronominal, sendo necessariamente acompanhado de um pronome oblíquo (adequado à respectiva pessoa gramatical), pelo fato de denotar ações próprias do sujeito.

2 - Amar não é um verbo intransitivo, isto é coisa do Mário de Andrade e suas intrincadas e complexas percepções freudianas, que até poderiam por si só garantir o Amor como livre e as paixões como processos patológicos diante da complexidade humana; mas no mundo real Amar é Transitivo Direto, e isto define o processo pela leveza, elimina problemas, facilita o relacionamento pessoal, social e jurídico, pois quem ama, ama alguém e pronto simples assim.



É isto aí!





Nenhum comentário:

Postar um comentário