segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

A morte do compadre

Compadre Ambrósio desejava a morte de uma forma quase impossível de se negar tê-la. Na verdade apaixonou-se por ela. Haviam se encontrado três vezes, em momentos que iam do trágico ao cômico. Ela sempre estava lá, o acalentava, embalava em suave brisa sob o véu da sua morbidez e o devolvia aos vivos.

E na noite que finalmente morreu, sorria tanto, que seus olhos brilhavam. Eram vinte e duas horas e dezesseis minutos. Deu que quando ela adentrou no humilde barracão de piso batido, achei-a também tão lindamente apaixonante que dei de querer morrer ali mesmo, naquele instante.

Mas Oriosvaldina, uma galega nova que estava perdida na estrada e que encontrou abrigo na Boate da Nastácia, arrastou asa pro meu lado. Agradei da moça, de história pregressa triste, mas de mente e corpo divinos. Juntamos os trapos e deu que cadê de querer morrer tão cedo. 

Desde então achei o céu por aqui mesmo, até por que, depois de certo tempo, com a cabeça no lugar, comecei a achar a Morte com mais cara de quenga do que tudo. 

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário