terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Ex-amor

Conheceram-se numa roda de amigos e a partir disto nunca mais foram os mesmos. Enamoraram, amaram, se entregaram, coabitaram, riram, choraram, divertiram, até que se odiaram e foram girar em novas rodas de novos amigos. 

Mas logo ele percebeu que havia nela uma magia, uma manifestação de sentimento que nunca soube explicar. E ela não conseguia alavancar um relacionamento que preenchesse o vazio da ruptura.

Bateram de frente, na porta do antigo ninho, ambos buscando conforto pelo luto da perda. Foi então que retornaram aos berros, aos gritos, aos beijos e às manhãs preguiçosas. Nunca mais, juraram, sairiam pelo mundo em busca da outra metade. Juras de amor ...

Com o passar do tempo, para ele, a volta foi como uma coisa normal, onde não havia aquela identificação, a obrigação da entrega total. Um dia comum, onde nada de especial poderia acontecer, num ato falho do qual se arrependeu até o fim dos tempos, disse - Eu não sei te amo!

Como?

Isto, eu não sei ...

Não terminou a frase e ela já havia partido, como um despertar abrupto de um sonho. 

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário