quinta-feira, 5 de maio de 2016

Eu sou a Lei

- Imperador:

Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima decreta:

Está toda a corte, plebe, sicários, nobres, mecenas, mercantilistas, ricos, mestres, doutores, professores, letrados, iletrados e demais membros do amplo espectro de funções e matizes, doravante plena do saber de que este Magno Imperial decreta:

Fica toda a extensão de pessoas, de quaisquer castas deste reino, proibidos de falarem à meu respeito.

- Ministro: 

Perdão, Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima, ouso, se assim permitir, e não pretendendo com isto ofuscar a Vossa Imperial Luz que ilumina vosso reino, tomar um passo diminuto da minha desprezível e insignificante existência, para propor-lhe uma pequena alteração no texto.

- Imperador:

Pela sua ousada e intempestiva coragem de conflitar minha benevolência, senhor ministro, permito que se manifeste, obedecendo aos critérios imperiais, justos, imparciais e legais.

- Ministro:

Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima, ouso emitir minha diminuta opinião de que àqueles que falam bem de Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima, dever-se-ia, se assim permite vossa magnânima benevolência, que continuem a fazê-lo.

- Imperador:

Comove-me saber que o senhor ministro conseguiu perceber minha real intenção de promover esta ressalva à lei, senhor ministro. Já havia pensado nesta possibilidade, mas preferi provocar sua corajosa exposição. Doravante o texto ficará:

Fica toda a extensão de pessoas, de quaisquer castas deste reino, proibidos de falarem à meu respeito, exceto as que falarem da bondade, do altruísmo, da generosidade e da benevolência imperial.

- Ministro:

Perdão mais uma vez, Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima. Jamais deveria interferir na vossa magna inteligência e novamente ouso, se assim permitir, pois não pretendendo com isto ofuscar a Vossa Imperial sabedoria que transcende vosso reino, tomar outro passo diminuto da minha desprezível e insignificante existência, para propor-lhe uma mínima alteração no novo texto imperial.

- Imperador:

Apesar de causar-me espécie a sua ação, acredito que aquilo que dirá será exatamente o que refleti em minhas preciosas horas de divagações e elucubrações imperiais.

- Ministro:

Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima, meu desejo é e será sempre tudo o que Vossa Majestade deseja, e neste instante diante de Vossa Majestade, ouso novamente emitir minha insignificante opinião de que além daqueles que falam bem de Vossa Majestade Imperial, Real e Fidelíssima, dever-se-ia, se assim permite vossa magnânima benevolência, permitir que os que falam mal continuem a fazê-lo, para que Vossa Imperial Guarda saiba identificar pelos atos, palavras, atos e omissões todos aqueles que deturpam vossa imaculada realeza..

- Imperador:

Bravíssimo, senhor ministro. Suas palavras são exatamente as que guardei antecipando esta questão de relevante valor administrativo em todo o Reino. Desta forma, de caráter irrevogável, sem mais nenhum adendo real, eu, Majestade Imperial, Real e Fidelíssima deste reino e anexos, decreto:

Fica toda a extensão de pessoas, de quaisquer castas deste reino, proibidos de falarem à respeito das supostas maldades, desmandos, e atos de força necessários para a manutenção da ordem, da paz e do progresso do nosso Reino. Aos que falarem da bondade, do altruísmo, da generosidade e da benevolência imperial, gozarão de harmônica e resplandecente tranquilidade. Os abjetos que se manifestarem em contrário suportarão as agruras da lei justa e igualitária.

Revogam-se as disposições em contrário.

Esta Lei entra em vigor nesta data, sem contestação ou manifestações em contrário.

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário