sábado, 25 de junho de 2016

Flavinha e o beijo roubado.

Chegou exausto do escritório. Reuniões, tensões, protestos, enfim, um dia normal de um executivo de 50 anos de idade. Entrou calado no apartamento, desta vez pela porta dos fundos, por que não desejava ver ninguém na sala, de onde se escutava conversas e música alta..

Ali, na sua cozinha, encostada na bancada da pia, estava a vizinha mais linda de todas as mulheres que conhecia, no alto dos seus 35 anos. Nutria um desejo até então silencioso e controlado, afinal era casada, frequentavam o mesmo clube, os mesmos lugares, tinham amigos em comum, etc.

Trocaram um olhar de cumplicidade. Perdeu a razão, segurou-lhe os braços e deu-lhe um beijo escandaloso, impávido e inesperado, seguido de outros dois, com abraços e carícias. Em seguida, apertou-a, afagou-a, apalpou-a e beijou-a desta vez com maior êxtase. A mulher, a princípio assustada pelo assédio inédito, não entendeu nada e cedeu pelo impulso. Ficou ali esperando o próximo passo que não ocorreu.

Saiu da cozinha atordoado, passou na sala sem perceber quem estava ali (se estivesse olhado, veria o marido e as duas filhas da vizinha conversando com a sua esposa e seus dois filhos). Tomou um cowboy duplo seco sem pestanejar. Bateu com o copo na bancada e seguiu para o quarto. A esposa, companheira de trinta anos o acompanhou em silêncio até o quarto.

Deu uma olhada de relance para ela, que acenou levemente a cabeça seguido de um sorriso monalisa, ao perceber seu estado emocional alterado. Caminhou para o banheiro com a garrafa do whisky. Sentou no vaso, e foi bebendo sem pressa. Pelas tantas abriu o chuveiro, jogando a camisa, paletó, gravata, calça e o sapato ao lado de fora da porta.

Pensava coisas desconexas, na Flavinha e numa vontade diferente. A esposa começou a achar que havia muito passado tempo após estar lá dentro, e intuiu que tinha algo errado. Bateu à porta, chamou, gritou, espancou com toda a sua força. Histérica, começou a gritar ininterruptamente. Correram ao seu chamado os filhos, os vizinhos, a Flavinha e o síndico.

 A porta maciça nem balançava, e a água começava a sair pelo chão, providencialmente estancada por uma toalha jogada pela vizinha, que foi retirada assim que a esposa reconheceu nela uma parte do seu enxoval, mandando aos berros alguém buscar um pano de chão.

Chegaram os policiais e os bombeiros. A mulher proibiu o arrombamento, pois a seguradora já enviara o chaveiro. O profissional foi entrando com cerca de trinta pessoas no quarto, passou empurrando aqui e ali até achegar à porta. Tirou suas chaves mestras da maleta, e finalmente abriu-a. Não teve tempo de se levantar, pois foi atropelado pela turba.

Não havia ninguém no banheiro, apesar das evidências de ter sido usado, com o chuveiro aberto e a porta trancada por dentro. Nunca mais foi visto. Os filhos encontraram seus caminhos, a esposa se encaixou na fortuna herdada e Flavinha, bem, Flavinha, de súbito, divorciou e se mudou para local incerto e não sabido onde lhe aguardava a sequência do ato.

É isto aí!



Nenhum comentário:

Postar um comentário