quinta-feira, 16 de junho de 2016

Odete, La Crème de la crème do Planalto Central

Madrugada fria nestas montanhas geladas e meu monoglota Nokia soa em dissonância com meus sonhos. No visor está Odete, La Crème de la crème da sociedade brasiliense. Conta a lenda que de certa feita ela foi convidada por empolgantes e degenerados velhinhos probos, ricos e vetustos da mais alta casta spoliare da nação, a participar de uma festa surpresa a determinado senhor, líder e comandante em chefe da elite intelectual e esbulhadora da riqueza tupynambá. Saiu de dentro de um enorme bolo, ao mesmo tempo que confetes, serpentinas, coxas, peitos siliconados e propinas caiam por sobre todos e todas presentes numa das maiores confraternizações prevaricantes e privatizantes da capital federal.

- Querida ... que saudade!! Puxa vida, estava sonhando com você.

- Humm, que delícia. Vem prá Brasília que a gente faz coisas mais interessantes acordados.

- Seu convite me comove, mas a que devo a honra do seu contato nesta madrugada glacial?

- Então, amore, tenho um babado novo, mas sem axé. Outro dia estava em local incerto e não sabido, com quem de direito e do meu lado Geraldinha puxou-me delicadamente em atração fatal, e no meio daquela loucura sussurrou-me que ouviu de Carlinhos, seu amante oficial, que soube por Cleidinha, sua namoradinha casual, que escutou do seu marido, o Alfredão, estafeta do Dr. K. Lado, que ao passar de relance num longo e sombrio corredor de um ministério Gangnam Style, viu dois nobres cavalheiros em trajes sumários e pose clássica, discutindo relações, e um deles afirmou em alto e bom som ao coleguinha, digamos assim, que segundo delação premiada de determinado profeta do Templo da Salvação pela Fecha-Jato, vai rolar um Malaquias 4.1.

- Calma, Odete, calma. Deixa eu acordar primeiro e depois ver se entendi. Gangnam Style ... hummm ... foi o vídeo que forçou o Youtube a mudar o seu algoritmo de contagem para 64 bits. Então um ministério que não era e passou a ser um modelo 64, golpista. Ah, esta foi difícil. Já o profeta é mais fácil -  "Porque eis que vem o dia, ardente como uma fornalha. E todos os soberbos, todos os que cometem o mal serão como a palha; este dia que vai vir os queimará - diz o Senhor dos exércitos - e nada ficará: nem raiz, nem ramos."

- Uau, amore, você nunca nunca nunquinha me decepciona.  

- Então, Odete, a dona coisa lá é profeta também? Ela disse quando passou a faixa para si mesma que não ia ficar pedra sobre pedra.

- Nossa, assim você me mata - entende o que falo, traduz o que penso e me alucina em polvorosa. Ai, amore, vem prá Brasília, vem me ter e tocar seu cajado nas pedras da minha vida de onde jorrarão leite e mel.

- Mas o cajado num era para água? Leite e mel? Que coisa estranha ... alô ... alô .. Odete ... caramba, desligou - tenho que aumentar a minha fé.

É isto aí!



Nenhum comentário:

Postar um comentário