terça-feira, 21 de junho de 2016

Só um duplo mal entendido

- Tinha jurado nunca mais olhar para ela, mas, caramba, como eu sou mentiroso quando trato das coisas ocultas de mim.

- O que você falou, meu bem?

- Nada, nada, só pensei algo sobre qualquer coisa que acho que vi num filme.

- Que filme é este? Conta prá mim, vai, pode contar. Nós assistimos juntos?

- Não é nada, querida, foi só um filmezinho fraco da sessão da tarde.

- Sessão da tarde? Como assim? Tem TV no escritório?

- Não, foi tipo assim, acho que foi na Netflix.

- Humm, mas você tem tempo para assistir alguma coisa que acha que é Netflix e não tem tempo para me levar ao cinema?

- Não foi nada disto, foi por acaso, só liguei e desliguei. Estava abarrotado de serviço e achei que fazendo aquilo me aliviaria.

- Fazendo aquilo? Mas não era um filme na sessão da tarde, depois foi um filme que acha que foi na Netflix, depois foi só uma ligada e desligada e agora aliviou fazendo aquilo?

- É, fazendo aquilo, querida.

- Clodoaldo, fala a verdade.

- Clotilde, a verdade é que estou tendo um caso com a minha secretária e vou te deixar para ficar com ela.

- Nossa, Clodoaldo, você é bobo demais. Quase me convenceu que estava tendo um caso com aquela sirigaita. Deixa prá lá, amor, volta para seus filmes e arruma um enredo melhorzinho. Você é muito engraçado.

- Tudo bem (ufa ...) 

- Mas, olha aqui, Clodoaldo, é bom que seja só um enredo fraquinho, por que se tiver 1% de possibilidade de ser próximo de algo que possa a vir a ser verdade, eu te capo, e depois fujo com a Rubinho.

- Rubinho, quem é Rubinho?

- Rubinho? Não tenho a menor ideia, querido, saiu sem querer. Acho que ouvi na novela ...

- Ah, bom!

- Vai querer algo diferente na janta, amor? (ufa ...)

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário