domingo, 10 de julho de 2016

Faltam-me palavras, Carminha!

Preciso achar uma frase perfeita, pensou em completo silêncio enquanto se escondia no lavabo. Tenho que falar exatamente o que surtirá o efeito que espero que aconteça. Uma frase, apenas uma frase e serei o homem mais, hummm ... mais, ah! não interessa, esta frase será o ponto de mutação da minha vida.

10 minutos depois

- Armandinho!?!?!? Você está bem?

- Sim, Carminha, estou bem.

- Precisa de alguma coisa? Tem papel, toalha, sabonete? 

- Sim, Carminha, está tudo aqui.

15 minutos depois

- Armandinho, estamos te esperando. Você está passando mal? Precisa que chame socorro?

- Não, Carminha, estou bem. Já já estou saindo.

20 minutos depois

- Armandinho, estou perdendo a paciência. Abre esta porta agora.

- Calma, Carminha, já estou abrindo. Mas seus pais já foram?

- Como foram, Armandinho? Como foram? Nós estamos na casa deles.

- Caramba, tinha me esquecido disto. Estou saindo.

25 minutos depois

- Armandinho, ou você sai ou a porta será aberta. Minha mãe me entregou a chave reserva.

- Carminha, você está sozinha? (a frase, preciso encontrar a frase exata.)

- Sim, claro, pode falar, estou sozinha.

- Então, sabe como eu fico quando estou nervoso? Esta é a primeira vez que visito seus pais.

- Sei, você fica cheio de gases. É um horror.

- Pois é, eu hoje fiquei muito, mas muito nervoso com esta conversa de casamento.

- E daí?

- E daí ... (a frase ... cadê a frase?). Faltam-me palavras, Carminha.

- Armandinho? É comigo? Você quer terminar tudo? Você tem outra?

- E daí que eu me caguei todo, Carminha. Achei que era um peidinho, mas sujei a calça, cueca, meia, sapato, estou todo cagado ...

- Ufa, que susto, achei que você ia me deixar ...

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário