domingo, 7 de agosto de 2016

Carminha, eu si te amo a você em si própria por mim mesmo.

Oh! Minha amada,
Vou postar estes versos ...

Não, melhor que não, preciso de algo mais denso. Vejamos ... vejamos ... vamos lá:

Oh! Minha amada ...
Estou a viver por ti ...

Tem nada disto, deixa ver ... hummm ... deixa ver ... é, parece que vai dar certo:

Minha amada
Eu sou aquele ...

Caramba, que coisa ridícula. Tenho que argumentar com convicção. Vamos lá:

Querida ...

Não, nada disto, - querida é muito pobre. Vou buscar umas palavras no dicionário:

Amor do meu sossego
Emper ... empe ... emprer ... enpre ... mas que merda,

vamos lá de novo

Amor do meu soçêgo
Sentimento enpederindo, perdenidoindo, empreternido, merda, depois eu corrijo, na minha vida
róliça? rolissa? rolisça? roliquiza? paixão feito uma pedra rolante
Eu si te amo a você em si própria por mim mesmo.

Melhor revisar:

Amor do meu sossego
Sentimento sólido na minha vida
Roliça paixão perpétua
Eu si te amo a você em si própria por mim mesmo.

- Agora vou dar este poema para ela. Toma Carminha, foi eu quem escreveu estas palavras só para você.

- Nossa, Armandinho, deixa eu ler. Ninguém nunca fez isto para mim. Emocionadíssima.

- Então, Carminha, o que achou?

- Primeiramente, Armandinho, vá à merda.
Segundamente sentimento sólido é aquilo que cai no vaso.
Terceiramente roliça é a gorda da vaca da sua mãe.
Quartamente quem é esta sirigaita desta perpétua?


É isto aí!












Nenhum comentário:

Postar um comentário