quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Urubus querem devorar tudo, desde priscas eras.

Daqui, no Reino da Pitangueira, subindo a colina do Bom Senso, dá para ver Pindorama, o engraçado e divertido reino vizinho. Lá sempre tem festa em tempo integral. 

Vi ontem um baile com bebidas, doces e salgados finos entre pessoas de bem, eles em esporte elegante, elas em estilo social, talvez conversando sobre amenidades, afinidades e interesses em comum.

Enquanto isto, do lado de fora, uns corriam assim e outros assados de um lugar a qualquer lugar sem esquinas, na badalada e mística esplanada dos mistérios. (sim, você leu Esplanada dos Mistérios, pois há mais mistérios etc e tal, ah! você sabe disto.)

Privilegiados da semana, sob o ar refrigerado e ao melhor estilo gourmet, nem repararam naquela horda de milhares de prováveis malfeitores sofrendo seu merecido castigo pelo cassetete dos homens bons, pagos regiamente para cumprirem seu fiel dever de manter a pátria livre ou morrer pelo ... pelo ... pelo amor à ordem e ao progresso dos homens de bem. 

Enquanto isto, nos jardins secretos, entre labirintos do verdadeiro - sabe quem manda aqui? - "os urubus passeiam a tarde inteira entre os girassóis"¹. Mas como sempre se soube e assim escreveu e imortalizou Arnaud Rodrigues², os urubus mandam bater por que o boi não quer morrer:

Urubu tá com raiva do boi
E eu já sei que ele tem razão
É que o urubu tá querendo comer
Mais o boi não quer morrer
Não tem alimentação

Gavião quer engolir a socó
Socó pega o peixe e dá o fora

Mas o urubu não pode devorar o boi
Todo dia chora, todo dia chora
Mas o urubu não pode devorar o boi
Todo dia chora, todo dia chora


¹ Frase de Caetano Veloso, retirada da sua música Tropicália.
²Alguns sites dão esta música como de autoria de Geraldo Nunes e Venâncio. Geraldo Nunes, cantor de enorme sucesso do estilo popular/brega dos anos 1970 foi um dos que gravou a música, que já era bastante conhecida devido ao LP de 1974 - Baiano e os Novos Caetanos vol 1, da dupla Chico e Arnaud Rodrigues.
   
É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário