quinta-feira, 27 de abril de 2017

Admiração (Paulinho Moska)

Meus olhos, famintos, não se cansam
de te acariciar 
Procuram sempre um novo ângulo 
pra te admirar
E sonham mergulhar na sua boca de vulcão
Provar todo o calor que há na sua erupção

Escorregar nos rios claros
das margens dos teus pêlos 
E encontrar o ouro escondido 
que brilha em seus cabelos
Devorar a fruta que te emprestou o cheiro
E talvez desfrutar de um amor puro e verdadeiro

Esquecer o espaço, o tempo e o viver
Perder a noção do que é ter a noção do perder
Se um dia eu fui alegria ao te conhecer
Agora canto porque sinto a dor de não te ter


Nenhum comentário:

Postar um comentário