sábado, 8 de abril de 2017

Na idade do lobo

- Então ... eu vim aqui para dizer o que eu não consigo dizer do que sinto por você quando quero dizer algo, pois sempre acho que isto poderá prejudicar nossa relação.

- Olha só, você ama o impossível, eu sou comprometida com outra pessoa que  é o único que não posso decepcionar.

- Mas eu te amo, e isto me dói muito.

- Tem dias que não existem emoções, nem pensamentos: só dor, então seu amor pode ser apenas um processo restritivo.

- Seus olhos, dois fachos de luz da sua alma a iluminar minha vida, a irradiar felicidade na minha tristeza.

- Se meus olhos mostrassem a minha alma, todos, ao me verem sorrir, chorariam comigo.

- Eu me cobro muito do porquê te amar tanto assim sem esperar nada em troca.

- Exige muito de você. Evitará muitos aborrecimentos se me esquecer.

- Minha alma esta doente, me sinto em coma, coma induzido pela tristeza profunda que sinto.

- Você é um homem com quarenta anos, bom, trabalhador, competente, só que eu não sou a mulher dos seus sonhos, não posso ser e não serei jamais a mulher da sua vida, da sua rua, do seu bairro ...

- E eu acreditei que viveria na alegria, e nos meus pensamentos tinha você comigo, mas na vida real é muito dura e sua imagem viva sempre vem acompanhada de uma tristeza sem fim.

- Pare com isto. Eu não te amo, eu não te quero, eu não desejo estar ao seu lado.

- Tudo bem. Nunca mais outra vez nunca mais! Mas eu te amo, e isto me dói muito ...

- Quer saber, fique com a sua dor e eu fico com minha vida - adeus!

- Espere, volte aqui, você uniu minha dor à sua vida? Foi isto? Há esperança, então? Volte, volte... me explique isso ...

- Aff ...

É isto aí!





Nenhum comentário:

Postar um comentário