segunda-feira, 29 de maio de 2017

Templo da Sacra Verità dos Homens de Bem

Entrou no Templo da Sacra Verità dos Homens de Bem em silêncio. Procurou um local discreto, afastado dos holofotes da Luz Celestial. Ajoelhou-se com extrema dificuldade devido ao excesso de peso e da artrite instalada há muito tempo. Postou os cotovelos sobre o encosto do banco da frente, uniu as mãos e fez sua prece aos homens de bem, em voz alta como manda a tradição da Companhia de Bem:

Oh, Senhor Mestre dos Mestres dos Mestres dos Mestres, Pai de todas as Companhias de Bem, beijo-te a mão e vos imploro:

- Fazei de mim um homem livre dos pecados descobertos, mas acobertai os escondidos.

- Que eu perca só o que foi denunciado, mas preserve o roubo acumulado.

- Que eu seja esquecido pela mídia.

- Que eu não sofra muitos achaques, se sofrer que sejam pequenos e breves.

- Que meus amigos desapareçam e meu inimigos me evitem.

- Que minhas contas em sete paraísos fiscais permaneçam intactas.

e por fim, já que só posso fazer sete pedidos:

- Que a Gildinha seja fiel, além da minha esposa, é claro. Como? Só uma? Que seja a Belinha, então, afinal ela é mais, humm, digamos assim, mais dentro do meu padrão de adiposidade tateável.

Amém!!!!

Assim disse o Mestre dos Mestres dos Mestres dos Mestres, Pai de todas as Companhias de Bem:

Vá, poveraccio, tua fé nos salvou!

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário