quinta-feira, 22 de junho de 2017

Aqui não!!!!

Tarde fria, vento gelado, cachorro na rua, meninos pelados nas calçadas, mães trocando receitas com as comadres e foi neste cenário, no interior do interior do interior de Pindorama que Cotinha desceu a ladeira esbaforida, batendo seu tamanquinho gasto até chegar na venda e disse alarmada - pai, mãe, estão vendendo tudo com a gente dentro. Dito assim, subiu a ladeira no mesmo galope que desceu.

Foi aquela correria ladeira acima. Seguiram a menina todos que estavam a beber e jogar dama, as beatas da igreja, o barbeiro, o farmacêutico, dois únicos policiais do corpo de segurança do município, um vereador bêbado, duas meninas da Casa da Luz Vermelha, os velhos dos tabuleiros de dama, as lavadeiras do Córrego Alto, duas balconistas do Salim, três cachorros latindo e uma pecha de meninos pelados gritando sem parar.

Lentamente, atrás, deslocava-se Dona Genara, gorda de pernas curtas e seios fartos arfando desesperadamente em busca de fôlego para acompanhar a multidão que acompanhava Tavinho, um homem esquelético, de face lisa e cara porca com o qual se ajuntou há seis anos, quando já tinha Cotinha, gerada de um romance de rodoviária..

Chegaram na casa, na verdade um barracão decente, sem as grandezas de uma casa e sem as pequenezas de um cafundó feito os das Oleiras, na saída para o Brejo do Turco.

- Cadê, Cotinha, cadê os homens que estão comprando tudo aqui?

- Ali, ó, disse apontando o dedo da mão com unhas imundas para o antigo aparelho de TV.

- Ali onde, peloamordedeus, Cotinha, disse a  multidão desesperada ...

- Este homem aí, dentro da televisão, escuta só, ele está falando que o sei lá, o ladrão lá, esqueci o nome, aquele velhinho, está vendendo o Brasil com a gente dentro.

- Genara, já soltando o coração pela boca, vermelha feito pimentão, suando bicas, gaguejou quase sem ar para Tavinho - amor, passa urgente uma mensagem para o João Manoel, seu primo, agora, no atzap.

- Genara, meu bem, o João Manoel mora em Portugal ...

- Então, Tavinho, é a nossa chance, vai que eles compram e começam do zero ... passa meu bem, passa, e diz para ele buscar as autoridades galegas mais depressa possível, que aqui não entra gringo não, aqui não, Tavinho, aqui não, gritou batendo a mão direita no muque esquerdo ...

E o povo saiu carregando Genara, a nova heroína, suspensa por dezenas de braços, aclamada, em procissão carnavalesca pelas ruas da cidade.

É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário