quinta-feira, 13 de junho de 2019

Eis o tempo predito


Irmãos e irmãs da Pitangueira, eis o tempo predito. Você que vem aqui beber da fonte da sabedoria, você que vem aqui se divertir, sorrir, alegrar-se, você que está aqui, você que passa por aqui eventualmente, você que vem aqui todos os dias, saibam todos:

Os tempos difíceis chegaram. Estamos no vórtice da dor, sendo sugados pela omissão, pela ambição e pela traição. 

O que posso fazer hoje? - Você se pergunta. 

Irmão, irmã - perdoa! 

Perdoa a todos os ímpios, não permita que eles habitem no seu coração gerando ódio e revolta. Perdoa,  libera esta dor, por que eles não merecem sequer serem citados nominalmente.

Eles, os ímpios, que macularam a paz, traíram o povo que a eles confiou a vida e o destino, são como palha que o vento leva, por isso não suportarão o juízo, nem permanecerão na assembleia dos justos, por que, Maktub*, o Senhor vela pelo caminho dos justos, ao passo que o dos ímpios leva à perdição. 

Salmo I

Feliz o homem que não procede 
conforme o conselho dos ímpios, 
não trilha o caminho dos pecadores, 
nem se assenta entre os escarnecedores.
Feliz aquele que se compraz 
no serviço do Senhor 
e medita sua lei dia e noite. 
Ele é como a árvore plantada 
na margem das águas correntes: 
dá fruto na época própria, 
sua folhagem não murchará jamais. 
Tudo o que empreende, prospera. 
Os ímpios não são assim! 
Mas são como a palha que o vento leva. 
Por isso não suportarão o juízo, 
nem permanecerão os pecadores 
na assembleia dos justos. 
Porque o Senhor vela 
pelo caminho dos justos, 
ao passo que o dos ímpios leva à perdição. 

*Maktub é uma palavra em árabe que significa "já estava escrito" ou "tinha que acontecer". Esta palavra é considerada um sinônimo de "destino", porque expressa alguma coisa que estava predestinada ou um acontecimento que já estava "escrito nas estrelas". Neste caso, apesar de possuirmos o livre arbítrio, as coisas que acontecem já estavam destinadas a acontecer.

É isto aí!

terça-feira, 11 de junho de 2019

Cui bono? Cui prodest?

Medea de Seneca

Numa animada roda de conversas no bar do Zequinha, situado na Zona Norte, no Grande Complexo de Cinco faces do Grande Irmão Apache, no planeta Marte, marcianos, venusianos e lunáticos se perguntam: A quem interessa frações de denúncias pinçadas sem nenhuma explicação, de repente, vindo do nada, num estranho jogo de um só time nos quatro lados externos do campo, ao mesmo tempo que está nos dois lados internos, onde o ataque é amigo da defesa do suposto adversário ?

Segundo astrônomos, astrólogos, cartomantes, videntes, magistrias e procureiros galáticos, os marcianos guardam a sete chaves o discurso de Marco Túlio. Ora, ora, quem é Marco Túlio. Segundos os autos do processo dos credores da boa fé do Lácio ou Lazio, o orador romano Marco Túlio Cicero, em seu discurso Pro Roscio Amerino, seção 84, atribuiu a expressão cui bono ao cônsul e censor romano Lúcio Cássio Longino Ravila:

“L. Cassius ille quem populus Romanus verissimum et sapientissimum iudicem putabat identidem in causis quaerere solebat 'cui bono' fuisset".

Traduzindo para o Tupynambá da Terra Planária, sim senhores, lá a Terra é plana:

O famoso Lúcio Cássio, a quem o povo romano o considerava como um juiz muito honesto e sábio, tinha o hábito de perguntar frequentemente 'A quem beneficia?

A quem beneficia uma denúncia que cai como um corpo do Alfred Hitchcock no seio da pátria amada, idolatrada, saravá saravá? A quem beneficia? A quem? A?

Assim falou Zaratustra, e se não falou, deveria ter dito - Outro exemplo do uso de cui bono por Cícero está na defesa de Milão, no Pro Milone. Ele chega a fazer referência a Cassius: "aplique-se a máxima de Cassius ".

E Sêneca, um viajante espacial e atemporal evocou o "Cui prodest?", que deriva das palavras pronunciadas por Medeia na tragédia homônima de Sêneca. Nos versos 500-501, ela afirma: cui prodest scelus, is fecit, isto é, "aquele que lucra com o crime foi quem o cometeu".

Cui prodest? 

É isto aí?

Um psicanalista internacional online na Pitangueira


Na semana que passou, conforme prometido, recebemos no Centro Internético Imperial da Pitangueira, via skype, o membro vitalício da Real Academia de Psicanálise da Terra Plana, o nobre, ilustre, sensacional e famoso e renomado e super maxi tudo Prof. Dr. Vittorio Equizorleone XXX (leia-se triplo équis, plebe.)

O Prof. Dr. Vittorio veio ao reino vizinho atender a determinadas pessoas que a ética impede de citar, mas pode responder às várias perguntas dos nossos amáveis súditos, fieis seguidores e inclusive habitantes do reino ao lado, escutadores da Rede Imperial. Abaixo repassamos em breve relato as mais importantes colocações deste gênio da humanidade constituída de pessoas humanas, como disse o mais graduado cliente do nobre terapeuta.

Pergunta da Fadinha do Açaí:
- Don Vittorio, eu não consigo realizar um sonho sequer ...
- Se a vida lhe negar um sonho seja forte o suficiente para lhe negar uma lágrima

Pergunta do Arigó da Perna Curta
- Don Vittorio, me ajuda, minha mulher não cuida bem de mim ...
- Arigó, passei minha vida inteira tentando não ser descuidado. mulher e as crianças podem ser descuidadas, mas não os homens.

Pergunta do Tchérgio Stronzo 
- Padrinho, agradeço sua devida atenção pelo meu cargo de Consigliere, mas tem muito peçonhento , incluindo o Armando Golpe II - o retorno do Jedi - o que eu faço? Mato a cobra e escondo o pau? 
- Stronzo, se tem uma coisa que a história nos ensina, é que se pode matar qualquer um.

Pergunta de Lindinha do Cabriolet
- Vitinho, você vem ou eu vou?
- Bella, eu vou fazer-lhe uma oferta que você não pode recusar ...

Pergunta do Deda Promoter Outsider
- Padrinho, como posso te pagar por tudo que me permitiu ter, ser e fazer?
- Algum dia - e esse dia pode nunca chegar - Eu vou lhe pedir para fazer um serviço para mim. Mas até esse dia, aceite essa justiça, como um presente.

Pergunta do Napoleão Bolnaparte
- Seu Libório, é verdade que os ateus, os crédulos da Terra redonda e outros traidores da raça ... homo .. não p*rra, péra, quem colocou esta merda desta pergunta aqui para minha pessoa ler? Já falei que este negócio de homemgemeo é coisa de florzinha, táoquêi? Seu Libório, quem num tá coma gente num tem pequeno? Num tem tudo deste tamaninho? 
- Napoleão, homens realmente grandes não nascem grandes, tornam-se grandes.

Pergunta do Napoleãozinho 01
- Seu Histório, não é uma váibe da maior onda bater uma de tuíter fashion fast motion? 
- Napoleaõzinho 01, que nome ... Nunca deixe que ninguém de fora da famíglia saiba o que você está pensando.

Pergunta de Doidares Demais.
- Don Vittorio, eu odeio este povo, tudo macumbaina, tudo batedor de agogô com latinha de skola, tudo trapaiado e satanistazado, eu odeio, eu mintome e sintome que odiolos. O que eu faço?
- Doidares, não odeie seus inimigos. O ódio atrapalha o raciocínio. (isto explica muito)


* As respostas são do Don Corleone


É isto aí!




segunda-feira, 10 de junho de 2019

O ladrão honesto (no país das maravilhas ganha até troféu)

Nestes tempos onde os supostos honestos de ontem são o terror do que se passa hoje, devido às Evidências expostas na rede mundial, lembrei do texto abaixo:

O Ladrão Honesto
Grãos de Mostarda, editado em 1926
Autor  Humberto Campos

O capitão Vicente Bandeira estava já no segundo sono, quando, pelas três horas da madrugada, percebeu barulho na sala de jantar. Ouvido alerta, sentiu um estalar de gaveta, e outros ruídos que lhe denunciavam a presença de estranhos, no andar térreo da casa.

— Lulu? — chamou, sacudindo brandamente a mulher. — Lulu?... Lulu?...

— Hein?... Hein?... Que é?... — fez a boa senhora, despertando.

— Parece que temos gatuno em casa, filha!

Corajoso e decidido, o valente militar engatilhou a pistola, e, de pé ante pé, desceu ao andar térreo. E não se tinham passado quatro minutos quando Dona Lulu conheceu, em cima, pela queda precipitada dos móveis, que o marido havia se atracado com o ladrão.

Confirmada a sua suspeita, desceu. Cabelo alvoroçado, em ceroula, descalço, Vicente Bandeira tinha diante de si, encostado à parede, com as roupas em tiras e o rosto em sangue, um rapazola de uns vinte anos, que tremia, chorando:

— Não me mate, senhor capitão. Eu sou um gatuno honesto! Eu roubo para viver, é certo; mas roubo sem rebaixar-me!

Vicente Bandeira olhava o rapazola, sem compreender. E o desgraçado continuava:

— Eu sou um rapaz de bons costumes, educado com grande carinho. Nunca freqüentei lugares suspeitos!

E as mãos juntas, o rosto em lágrimas, um choro de cortar a alma:

— E a prova, senhor capitão, é que, para roubar, eu só visito casas de família!...

O pai da moça é, antes de tudo, um covarde.


Em São Paulo um pai tirou a vida de três pessoas

Um rapaz de 22 anos vai com os pais conversar com a família da namorada de 18 anos sobre o relacionamento do casal.

Um rapaz de 22 anos e uma moça de 18 anos

Uma moça de 18 anos

Um rapaz e uma moça

Uma história de paixão da juventude

A peculiaridade são os pais. Estão presentes, apoiando o filho, apoiando sua vida.

Um pai, um pai valente, um pai armado, um pai contaminado pelo ódio, um pai

O pai da moça a mãe da moça a moça

O pai da moça contaminado pelo ódio porta uma arma, uma arma letal.

O pai da moça mata o rapaz.

Pai da moça mata o pai do rapaz

O pai da moça mata a mãe do rapaz

O pai da moça que ama a moça, de corajoso, forte, violento e armado

O pai da moça agora é um assassino triplamente qualificado

O pai da moça, agora é um assassino covarde, covarde, covarde.

É isto aí!

domingo, 9 de junho de 2019

Diário Digital


Diário Digital

04 fev Havia saído para trabalhar quando a vi atravessando a rua. Ela é linda.

11 mar Saí mais cedo e fiquei esperando ela passar, a vi desde lá da outra esquina. Ela é linda.

26 mar Fiquei escondido atrás do portão até ela passar, queria ver seu rebolado. Ela é linda.

07 abril Ela hoje estava com um vestido curto. Estranho, achei que não fosse destas ...

28 abr Hoje perdi a hora ... puxa vida!

11 mai Esperei por ela e valeu a pena, tive a impressão que sorriu para mim. Uau!!!

20 mai Ela vem com ... alguém do lado. Ela tem namorado? Quem é aquele canalha?

13 jun Hoje ela não passou. deve estar agarrada com o tal que vi outro dia. Safada!

14 jul Puxa vida, ela vem ao lado de uma moça. estão, santo deusinho, estão de braços entrelaçados e sorrindo... mas que vagabunda é esta? Será?

01 ago A vadia passou sozinha ... mas é linda demais. Acho que deu uma olhada para mim ...

18 ago Ela veio mais devagar, o sol iluminava seu rosto angelical, seu andar é flutuante, nos olhamos olhos nos olhos e ela ... ela ... sorriu com os olhos.

19 ago Acho que nem dormi direito. Sonhei com ela ... Ela veio, não atravessou a rua, mas virou  o pescoço depois que havia passado pelo meu ponto de referência. Sorriu ... nossenhoraparecida ... ela ... ela ... sabe da minha paixão, do meu amor, avemaria! É a mulher da minha vida

29 ago Tomei uma decisão. Hoje eu vou para-la e cumprimenta-la. Ela vem! Ela vem!! Faltou  oportunidade ou coragem. Puxa vida. Ela estava de cabeça baixa me olhando atravessado. devo ter feito alguma coisa.

08 set Sai atrasado, correndo, e não é que bati de frente com ela, caímos no chão, ela começou a chorar, eu fui ajudá-la e me chamou de estúpido. Pedi desculpas, clamei piedade e ela chorava e me olhava esquisita.  

13 set Cheguei na calçada cabisbaixo, olhando para o vazio da calçada, e senti uma mão tocando meu peito. Era ela, me deu um abraço e pediu desculpas. Eu a abracei, e falei que entendia a sua raiva, mas era passado. 

28 set Desci para a rua feliz. Ela vinha com seu jeito angelical. Abri os braços, ela olhou com olhar despoético. Parou na minha frente. Olhei no fundo do seu olhar e fiz a pergunta que precisava ser dita: qual o seu nome? Denise, ela respondeu. Denise, quer namorar comigo? Não, respondeu de bate-pronto.

29 set Mudei meu horário de sair. Nunca mais quero saber daquela vadia. Ingrata. Mal agradecida. Feia. 

22 dez Eu amo aquela mulher ...

É isto aí!


sábado, 8 de junho de 2019

Por causa de você (Letra Dolores Duran - Música Tom Jobim)


Ah, você está vendo só 
do jeito que eu fiquei
E que tudo ficou

Uma tristeza tão grande 
nas coisas mais simples
Que você tocou

A nossa casa querida 
já estava acostumada
Aguardando você

As flores na janela 
sorriam, cantavam
por causa de você

Olhe, meu bem, 
nunca mais 
nos deixe por favor

Somos a vida 
e o sonho, 
nós somos o amor

Entre meu bem, por favor
Não deixe o mundo mau
 te levar outra vez

Me abrace simplesmente
Não fale, não lembre
Não chore meu bem



Começar de novo (Ivan Lins / Vitor Martins)


Começar de novo
E contar comigo
Vai valer a pena
Ter amanhecido

Ter me rebelado
Ter me debatido
Ter me machucado
Ter sobrevivido
Ter virado a mesa
Ter me conhecido
Ter virado o barco
Ter me socorrido

Começar de novo
E contar comigo
Vai valer a pena
Ter amanhecido

Sem as tuas garras
Sempre tão seguras
Sem o teu fantasma
Sem tua moldura
Sem tuas escoras
Sem o teu domínio
Sem tuas esporas
Sem o teu fascínio


Nossas emoções

Alto lá
Este texto não é meu
Confesso que copiei e colei
Autora Ana Beatriz Rosa (Editora de Comportamento)
Fonte https://www.huffpostbrasil.com/



Como nossas emoções são capazes de influenciar até mesmo o que nós enxergamos
"Nós não conhecemos o mundo apenas através de nossos sentidos externos."

By Ana Beatriz Rosa

Os seres humanos são capazes de agir ativamente na construção de suas percepções.

As nossas emoções são capazes de influenciar até mesmo o que nós enxergamos. De acordo com a pesquisa publicada na revista acadêmica Psychological Science, os seres humanos são capazes de agir ativamente na construção de suas percepções.

"Nós não somos passivos em relação a informação que está no mundo. Nós construímos nossas percepções como os arquitetos de nossa própria experiência. E nossos sentimentos e emoções são determinantes na experiência que criamos", explica a psicológica Erika Siegel, da Universidade da Califórnia, em São Francisco. "Isto é, nós não conhecemos o mundo apenas através de nossos sentidos externos - nós vemos o mundo de maneira diferente quando nos sentimos confortáveis ou até quando estamos em situações desagradáveis".

Em dois experimentos, os participantes foram expostos a dois tipos de imagem: uma de um rosto com expressão neutra, mostrada em sequência de flash, e outra com expressões de raiva ou de alegria, apresentadas em segundo plano. Essas imagens, por estarem disponíveis por milésimos de segundos, não eram captadas ativamente pela consciência dos participantes.

Ainda assim, os pesquisadores da Universidade da Califórnia demonstraram que imagens de rostos com expressões neutras são percebidas como mais alegre e sorridentes ao serem combinados com estímulos positivos que não são vistos conscientemente pelos participantes.

Em estudos anteriores, Siegel e outros pesquisadores descobriram que os estados emocionais das pessoas influenciaram as suas primeiras impressões de rostos com expressões neutras, fazendo com que os rostos se tornassem mais ou menos agradáveis, confiáveis e desconfiáveis, por exemplo.

Nessa pesquisa mais recente, eles queriam entender se os estados emocionais das pessoas poderiam realmente mudar como elas enxergavam as imagens de rostos com expressões neutras.

Usando uma técnica chamada supressão contínua de flash, os pesquisadores foram capazes de apresentar estímulos aos participantes sem que eles soubessem.

Em um experimento, 43 participantes foram expostos a uma série de imagens que piscavam e se alternavam entre uma imagem pixelizada e uma de um rosto com expressão neutra.

Ao mesmo tempo, uma imagem de baixo contraste de um rosto sorridente, bravo ou neutro também foi apresentado. Normalmente, essa segunda imagem seria suprimida pelo estímulo apresentado na primeira imagem, e os participantes não chegariam a ter consciência dessas segundas imagens.

No final de cada experimento, um conjunto de 5 rostos apareceram e os participantes deveriam escolher o que melhor correspondeu ao rosto que eles viram durante o teste.

O primeiro rosto que foi apresentado aos participantes foi sempre o de expressão neutra. Porém, eles tendiam a selecionar rostos que combinavam com a segunda imagem apresentada.

Por exemplo, se uma pessoa viu um rosto sorrindo, mesmo que não ficasse gravado no seu consciente, no fim do experimento ela escolhia por uma imagem também sorridente.

Em outro testes, os pesquisadores incluíram uma forma de medir objetivamente esta consciência.

Eles pediram aos participantes para adivinhar qual era a expressão da segunda imagem do rosto que aparecia. Os resultados indicaram que os rostos com expressões positivas mudaram a percepção que os participantes tinham da imagem com expressão neutra.

Para os pesquisadores, os estudos mostram frequentemente que os estímulos negativos têm maior influência no comportamento e na tomada de decisões das pessoas. Porém, esta pesquisa demonstrou que o efeito das expressões positivas é uma área interessante para estudos futuros.

"Essas descobertas podem ter implicações do mundo real que se estendem para as interações sociais cotidianas. Esses experimentos fornecem mais evidências de que o que vemos não é um reflexo direto do mundo, mas uma representação mental do mundo fundida por nossas próprias experiências emocionais", explica Siegel.



Emoções e Sentimentos

Alto lá
Este texto não é meu
Confesso que copiei e colei
Autor: Mathias Oefelein
Fonte: HuffPost Brasil


Qual a diferença entre emoções e sentimentos e por que essa diferença importa?

Muitas pessoas confundem emoção e sentimentos. Neste texto, quero explicar a diferença entre ambos e como este conhecimento pode ajudar a ganhar mais controle sobre nossa vida.

Emoções

As emoções são respostas de nível inferior que ocorrem nas regiões subcorticais do cérebro, da amígdala e dos córtices pré-frontais ventromediais, criando reações bioquímicas em seu corpo e alterando seu estado físico.

Paul Ekmann, um dos primeiros psicólogos a pesquisar as emoções e a linguagem corporal, reconheceu as emoções de tristeza, alegria, raiva, desprezo e nojo. O que elas têm em comum é que são reações diretas e rápidas à circunstâncias do ambiente e da vida.

Sentimentos

Já os sentimentos se encontram em outro lugar do cérebro, nas regiões neocorticais. Eles representam reações e associações às emoções e são influenciados por fatores como experiências pessoais, memórias e crenças. Os sentimentos seguem as emoções, envolvem processos cognitivos e ocorrem, muitas vezes, de forma subconsciente. Ou, nas palavras da neurocientista Dr. Sarah Mckay: "Emoções ocorrem no palco teatral do corpo. Sentimentos ocorrem no palco da mente."

Distinguindo conscientemente estes dois fenômenos e compreendendo as raízes e fatores que os influenciam, podemos criar um controle maior sobre nossa própria vida.

Obviamente, esse processo é muito difícil e somente com muito tempo, reflexões, questionamentos e tentativas, muitas vezes frustradas, conseguimos mudar nossas avaliações, pensamentos e reações.

Debby Hampton, autora do livro Sexo, suicídio e serotonina, conta neste contexto sobre seu casamento violento e sobre o complicado processo de divórcio que se seguiu.

Durante anos, Debby viveu com medo: todas as ações ou situações envolvendo seu violento ex-marido lhe causavam medo e grande angústia.

Mas, durante aqueles anos, ela começou a entender os porquês de seus sentimentos, as relações de causa e efeito e suas possíveis alternativas emocionais.

No espaço entre emoção, sentimento e ação, todos nós temos o poder de mudar e direcionar nossas vidas para melhor.

Ao compreender as emoções e gerenciar os sentimentos com o pensamento consciente, temos uma ferramenta poderosa para viver de forma mais livre.

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Give me a kiss to build a dream on

Pinturas a óleo do artista russo Georgy Kurasov: geometria do corpo, cubismo, arte misturada com escultura. Georgy Kurasov nasceu em 1958 na URSS, no que era então Leningrado. Vive e trabalha no mesmo lugar. Os americanos vêem Georgy Kurasov como um artista russo, os russos como um artista americano, para os pintores ele é um escultor, os escultores têm certeza que ele é um pintor, ele apenas tenta ser ele mesmo, não para ser como qualquer outro.

Give me a kiss to build a dream on 
And my imagination will thrive upon that kiss 
Sweetheart, I ask no more than this 
A kiss to build a dream on 

Give me a kiss before you leave me 
And my imagination will feed my hungry heart 
Leave me one thing before we part 
A kiss to build a dream on 

When I'm alone with my fancies...i'll be with you 
Weaving romances...making believe they're true 
Give me your lips for just a moment 
And my imagination will make that moment live 
Give me what you alone can give 
A kiss to build a dream on 

When I'm alone with my fancies...i'll be with you 
Weaving romances...making believe they're true 

Give me a kiss to build a dream on 
And my imagination will thrive upon that kiss 
Ah sweetheart, I ask no more than this 
A kiss to build a dream on

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Laura Catarina e o legado do seu pai Vander Lee


Sabe o que eu queria agora, meu bem 
Sair chegar lá fora e encontrar alguém 
Que não me dissesse nada 
Não me perguntasse nada também 
Que me oferecesse um colo, um ombro 
Onde eu desaguasse todo o desengano 
Mas a vida anda louca 
As pessoas andam tristes 
Meus amigos são amigos de ninguém 
Sabe o que eu mais quero agora, meu amor 
Morar no interior do meu interior 
Pra entender porque se agridem 
Se empurram pro abismo 
Se debatem se combatem sem saber

Meu amor, deixa eu chorar até cansar 
Me leve pra qualquer lugar 
Aonde deus possa me ouvir 
Minha dor 
Eu não consigo compreender 
Eu quero algo pra beber 
Me deixe aqui, pode sair, 
Adeus

domingo, 2 de junho de 2019

Ora direis, ouvir Bilac!

Quino*

Muito bem, silêncio. Marcelinho, declame o poema enquanto as cortinas se abrem.

Parreira, vai num crescente de luz do violeta ao vermelho, bem lentamente, sobrepondo uma à outra , em foco crescente, até a luz perfeita, ok?

Atenção Marcelinho, um minuto ...

Abrem-se as cortinas ... lentamente e Marcelinho começa:

Haviam poeria,
neblina e tensão
noar.

Para tudo - Marcelinho, de onde você tirou "haviam poeria"?

- Se o professor doutor emérito e augusto nobre cadeirante do sinistério da ducassção crassifica assim os conjugadinhos sala e quarto, quem sou eu pra questionar?

Marcelinho, larga a mão de ser besta. Fala o que está no texto! E outra coisa, que merda é esta de noar? é NO ARRRRR e não esta frescuragem repleta de simbolismos de nôár.

- Veja bem, senhor diretor. São novos tempos. Se até hoje os bam-bam-bans não chegaram a um consenso se o nosso noir - mito é um drama, comédia ou suspense, logo, pelo menos é acordo comum que temos aqui um anti-herói, ambientação urbana e temática criminal ... logo, mais parecido impossível, logo, depois de tensão deste gentinha gentalha nas ruas, a gente encaixa um noir ... parece sexy, mas nóis desce a porrada

Marcelinho, aqui estamos falando de ar, o que você, eu e até a ameba respiram.

- Olha aqui, senhor diretor, só para lembrar que a arte exprimida pelos adeptos desta seita vermelhinha está no passado, e reforçar que titio Fulanão Milício é quem patrocina esta peça, e a tia Maluqinha é nossa fiel censurenta, e foi dela grande parte da revisionice aqui, está ligado?

Então, por que não recita Olavo Bilac, Marcelinho?

- Ora, direis, ouvir a estrelinha do inenarrável, hem diretor...(risos). Bilac era vermelho nacionalista, achava que tudo aqui era de quem nasceu aqui. Ingênuo, diretor, um inocente útil. Infelizmente ficou preso por pouco tempo, pois o Marechal Floriano era um homem de bom coração. 

Quer saber, Marcelinho? Quer saber? Fui, parti, tomei outro rumo, vou para o lado certo da história ...

- Volta diretor, volta! Não há mais lado do outro lado, diretor. Todos os lados estão só de um lado ...

É isto aí!


Quino* -  A imagem apresentada é do Quino. Nela podemos ver a luta entre as morais. O símbolo da força é representado pelo escudo do leão, enquanto a da compaixão e a da misericórdia é representado pelo escudo da família. Podemos perceber que o lutador menor como perdedor em potencial está com o escudo da família, entretanto, o lutador maior titubeia diante da figura da família alí representada por seu adversário. A charge é uma provocação de Quino, conhecido autor dos quadrinhos de Mafalda.

Uau, o que é isso?

Alto lá
Esta matéria é real
Fonte New York Times 26 maio 2019
Por Helene Cooper , Ralph Blumenthal e Leslie Kean


"Uau, o que é isso?" Pilotos da elite da Marinha Americana relatam objetos voadores inexplicáveis:

WASHINGTON - Os objetos estranhos, um deles como um pião se movendo contra o vento, apareciam quase diariamente do verão de 2014 a março de 2015, no alto dos céus da costa leste. Os pilotos da Marinha relataram a seus superiores que os objetos não tinham nenhum motor visível ou plumas de escape infravermelho, mas que podiam atingir 30.000 pés e velocidades hipersônicas.

"Essas coisas estariam lá fora o dia todo", disse o tenente Ryan Graves, piloto do F / A-18 Super Hornet que está na marinha há dez anos e que relatou seus avistamentos no Pentágono e no Congresso. “Manter uma aeronave no ar requer uma quantidade significativa de energia. Com as velocidades que observamos, 12 horas no ar são 11 horas mais longas do que esperávamos. ”

No final de 2014, um piloto do Super Hornet teve uma quase colisão com um dos objetos, e um relatório oficial foi arquivado. Alguns dos incidentes foram gravados em vídeo, incluindo um tirado pela câmera de um avião no início de 2015, que mostra um objeto se aproximando das ondas do oceano enquanto os pilotos questionam o que estão assistindo.

"Uau, o que é isso, cara?", Exclama um. "Olhe para ele voar!"

Ninguém no Departamento de Defesa está dizendo que os objetos eram extraterrestres, e especialistas enfatizam que explicações terrenas podem geralmente ser encontradas para tais incidentes. O tenente Graves e outros quatro pilotos da Marinha, que disseram em entrevistas ao The New York Times que viram os objetos em 2014 e 2015 em manobras de treinamento da Virgínia para a Flórida fora do porta-aviões Theodore Roosevelt, não fazem afirmações sobre sua proveniência.

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Carta do Francisco ao Luiz Inácio


Estimado Luiz Inácio, 

Recebi sua atenciosa carta do passado 29 de março, com a qual, além de agradecer a minha contribuição para defesa dos direitos dos mais pobres e desfavorecidos dessa nobre nação, me confidenciava seu estado e ânimo e comunicava sua avaliação sobre o contexto sócio-político brasileiro, o que me será de grande utilidade. 

Como assinalei na mensagem para o 52 Dia Mundial da Paz, celebrado no passado 1 de janeiro, a responsabilidade política constitui um desafio para todos aqueles que recebem o mandato de servir ao seu País, de proteger as pessoas que habitam nele e de trabalhar para criar as condições de um futuro digno e justo. Tal como meus antecessores, estou convencido de que a política pode tornar-se uma forma eminente de caridade, se for implementada no respeito fundamental pela vida, liberdade e dignidade das pessoas. 

Nesses dias, estamos celebrando a ressurreição do senhor. O triunfo de Jesus Cristo sobre a morte é a esperança da humanidade. A sua Páscoa, sua passagem da morte à vida, é também a nossa Páscoa. Graças a ele, podemos passar da escuridão para luz, das escravidões desse mundo para liberdade da terra prometida. Do pecado que nos separa de Deus e dos irmãos para a amizade que nos une a ele. Da incredulidade e do desespero para alegria serena e profunda de quem acredita, no final, o bem vencerá o mal, a verdade vencerá a mentira e salvação vencerá a condenação. 

Tenho presente das duras provas que o senhor viveu ultimamente, especialmente da perda de alguns entes queridos, sua esposa Marisa Letícia, seu irmão Genival Inácio e, mais recentemente, seu neto Arthur de somente sete anos- quero lhe manifestar a minha  proximidade espiritual e lhe encorajar pedindo para não desanimar e continuar confiando em Deus. 

Ao assegurar-lhe minha oração a fim de que, neste tempo pascal de Júbilo,  a luz de cristo ressuscitado o cumule de esperança, peço-lhe que não deixe de rezar por mim.  

Que Jesus o abençoe e a Virgem santa lhe proteja. 

Fraternalmente. 

Francisco

terça-feira, 28 de maio de 2019

Não tenho mais medo de ficar sozinha

Jussara Dutra Couto (foto: Bitar & Paiva Fotografia )

Uma cerimônia de casamento sologâmico foi realizada em Belo Horizonte neste domingo (26/5) e arrancou elogios da noiva/ esposa. 

"Foi a  cerimônia mais linda que já vi na vida! E olha que eu já vi muita cerimônia de casamento", diz Jussara. 

Jussara criou a "Eu comigo evento", empresa especializada em promover casamentos solos. No mercado de matrimônios há 20 anos, ela defende que o próprio casamento sologâmico não foi marketing: "A vontade é genuína".  

"É com esta salva de palmas que todos nós declaramos você, Jussara, o grande amor da sua vida", disse a celebrante do casamento, antes de a noiva deixar o altar sob aplausos emocionados de amigos e parentes - houve até quem foi às lágrimas com a celebração. Assim, a empresária Jussara Dutra Couto, de 38 anos casou-se consigo mesma.

'Não tenho medo de ficar sozinha', diz noiva de si mesma.

Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2019/05/27/interna_gerais,1056959/como-foi-a-cerimonia-da-mulher-que-se-casou-consigo-mesma-fotos-e-vid.shtml

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Gente, entende uma coisa (Vinnie Bressan)

Alto lá
Este texto não é meu
Copiei e colei
Onde? No Facebook
De quem? Vinnie Bressan

Gente, entende uma coisa (Vinnie Bressan)



A gente está falando de pessoas que, se amanhã pousasse um disco voador na frente delas em uma avenida, elas iriam atirar. Pode ter qualquer coisa dentro do disco voador, é o disco voador de Schrödinger. Podem escravizar toda a raça humana e tomar o planeta? Opa, podem sim!!! Podem estar trazendo conhecimento, a cura de todas as doenças, tecnologia e formas de resolvermos os problemas mais periclitantes da Terra? Podem também! Perceba que não existem garantias, apenas riscos. E isso diz muito sobre a decisão destas pessoas de atirarem antes de saber o que nos espera, a decisão de, como costumam dizer, “atirar primeiro e perguntar depois”.

Quando a gente fala na rejeição ao outro, ao diferente, ao desconhecido, uma palavra que geralmente vem à mente é “ódio”. Não está errado, mas está na superfície. Você não odeia o que não conhece apenas por não conhecer. Você odeia o que não conhece porque tem medo. Essa é a palavra que todo mundo deveria colocar na frente do ódio ao caracterizar estas pessoas e manifestações: “medo”. Medo dos alienígenas (então, atiremos e eliminemos a “ameaça”), dos comunistas (que acreditamos que são inimigos, mas sobre os quais pouco sabemos pra além da rejeição que nos foi ensinada), de virar uma Venezuela (sem saber como foi que a Venezuela virou uma Venezuela, atribuindo toda a culpa a uma pessoa, como se a crise começasse ali), de ser assaltado (então, armas precisam ser liberadas, mesmo as estatísticas mostrando o contrário, já que eu PRECISO me defender a qualquer custo), da homossexualidade (porque isso não é “natural”, vão corromper nossas crianças, ainda que os números sobre abuso infantil digam que o risco é bem outro), enfim, de qualquer inimigo que te vendam a um preço de ocasião e que você resolva pagar, muitas vezes, mesmo sem se dar conta.

Parecia impossível, mas conseguiram! O último disco voador que pousou na avenida de que a gente falava é a Educação. Isso por si só já seria preocupante, mas torna-se ainda mais assustador quando nos damos conta de um detalhe: aqui, não estamos mais falando de um elemento desconhecido. Todo mundo sabe e entende o que é a Educação. Pelo menos eu achava que sim. Então, o que foi feito é ainda mais estarrecedor por ter dado certo: pegaram algo conhecido, que todo mundo queria e entendia como crucial para a manutenção de um projeto de país, distorceram através de mentiras e venderam que se transformou em outra coisa. Em um inimigo! A única coisa que poderia despertar a consciência crítica sem que a gente precisasse pagar pra ver o que é, algo que a nossa própria experiência e a experiência de todos os outros países do mundo têm mostrado que é o ÚNICO caminho para o progresso é o alvo do momento. As pessoas têm medo da Educação!

Não da Educação, claro, mas do que as pessoas que precisam que se odeie a Educação estão vendendo que ela se tornou: algo ensinado em um ambiente onde PREDOMINAM drogas, orgias, nudez gratuita e doutrinação ideológica. Sim, estão vendendo isso como a regra, não como a exceção. E a proposta pra acabar com os carrapatos é matar a vaca. Um presidente da República, possivelmente uma das pessoas que mais instila o medo e o desconhecimento hoje no Brasil, chegou ao cúmulo de dizer que não existe pesquisa científica nas Universidades Públicas Federais do país. Um presidente! Por irresponsabilidade, claro, mas menos por desconhecimento e mais por conveniência: é preciso convencer! Tudo o que for útil pra pintar a Educação como o inimigo, como algo a ser temido e odiado, está sendo usado e, ao que parece, enquanto surtir efeitos como o visto na frente da UFPR neste 26/05/2019, há de continuar sendo. E por que esse texto? Pra situar a origem do ódio, só isso. Esse ódio vem do medo. De pessoas que não estão dispostas a correr riscos e que a cegueira fez chegar a um patamar em que elas não aceitam apostar nem no certo, se alguém travesti-lo como um risco. Pessoas que vão chegar a extremos caso você opte pelo risco e que terão em mente que estão fazendo isso para te defender do pior. Traduzindo: a sua escolha consciente pelo risco será tachada como loucura e será combatida.

Fico pensando nas significações que as palavras “progressista” e “conservador” me sopram ao ouvido. O progressista é aquele que quer o progresso, o insatisfeito com o rumo das coisas, o que vai pagar pra ver o que tem dentro da espaçonave, ainda que o risco disso esteja posto. E o conservador é aquele que quer conservar tudo aquilo o que já foi conquistado (muitas vezes a qualquer custo), o que remete a uma satisfação com o rumo das coisas. A gente só conserva o que nos satisfaz em algum sentido (e, infelizmente, nesse ponto eu lamento que não tenhamos conservado apenas coisas que deram certo, que funcionaram... Mas, enfim, meu ponto nem é este!). Situo isso apenas por acreditar que nós ainda não progredimos o suficiente para nos bastarmos aonde chegamos. Eu não gosto de onde chegamos! Eu preciso de mais e, quando digo eu, penso no nosso número de pessoas famintas, desabrigadas, desempregadas ou das empregadas em regime análogo ao da escravidão, tendo que se achar sortudas em comparação com as desempregadas. Eu, utopicamente talvez, acredito que a humanidade pode mais. Mas, ao mesmo tempo, eu sei que pra ela conquistar mais, ela precisa perder o medo de saltar no vazio.

Enquanto eu escrevia essa reflexão, algo disso tudo me remeteu ao filme “A Chegada”, do Denis Villeneuve. Quem tiver a oportunidade de assisti-lo depois de ler este texto, tendo toda essa reflexão no bojo e contrapondo estes dois vetores tão marcantes em tudo o que eu escrevi, eu me sentiria muito feliz de poder trocar uma ideia a respeito. Pode ter sido viajar demais da minha parte tudo isso jogado aqui na tela, mas me ocorre agora que talvez o impulso primordial pra este salto no vazio esteja justamente na arte. Tentemos chegar juntos, cansados ou não. Porque se a gente não chegar assim, talvez a gente nunca chegue.

domingo, 26 de maio de 2019

Espelho da minha mágoa (Paulo Abreu)

https://www.brainpickings.org/2012/12/05/an-abz-of-love/

Queria te esquecer, 

anular totalmente 

da memória 

a sua voz, 

sua pele dócil, 

seu beijo lento, 

queria você.

eu queria você

eu, imagina só, eu!

em delírio soçobrante,

dizendo não

olho no olho 

em espelho

seus olhos lágrimas

meus olhos tesos.

você poesia

eu desespero.


É isto aí!